Arquivo

Archive for the ‘Toro Rosso’ Category

Grande Prêmio Petrobras do Brasil 2009 – Qualificação

18 de Outubro de 2009 1 comentário

Numa das sessões de qualificação mais demoradas da história (não digo a mais demorada porque não tenho a certeza), que durou aproximadamente 3 horas, Rubens Barrichello conseguiu pole position no seu território e relança o mundial com as péssimas performances de Button e Vettel.

Depois de termos voltado a ver Button e a sua família super descontraídos durante a 6ª feira e um Vettel sorridente, tudo mudou com as caras sombrias de regresso aos dois homens que lutam pelo título. Vettel perdeu o título, e mesmo com chuva é demasiado anormal que consiga um pódio no circuito… A não ser que Webber se estampe contra o muro, claro!

Título com novo fôlego

A brilhante performance de Barrichello aliada à sorte que teve na Q2, ao acabar em 10º com a ameaça de Kobayashi o mandar para fora a acabar com um erro do japonês na parte final da prova.

Button e Vettel fizeram péssimos resultados quando tinham evidenciado bons resultados durante os treinos livres. Jenson ainda se compreendeu porque nunca foi bom à chuva (apesar da 1ª vitória na Hungria), mas Sebastian tinham a fama do mestre da chuva, e o modo como parou o carro nas boxes diz tudo: adeus título…

Ameaças a Barrichello

Para ameaçar o “conto de fadas” de Rubinho em casa, estão Webber, Sutil e Trulli que parecem ter os carros, as capacidades e as estratégias para conseguirem incomodar bastante o brasileiro.

Apesar de não ter ficado muito claro o que Mark Webber deverá fazer na corrida para ajudar a equipa e Vettel a conseguirem atrasar a decisão, o simples facto de o australiano estar mais pesado que Rubens deverá dar o bom espectáculo na largada.

Sutil e Trulli têm mostrado não estarem apenas a fazer figura na F1 nas últimas provas, mas é óbvio que ambos devem ser levados a sério. No entanto a motivação inconstante de Jarno e os excessivos erros sob pressão de Adrian (Shangai e Nurburgring) mostram que os seus principais adversários serão eles próprios!

Toro Rosso e Williams aos pontos…

Depois de ter passado toda a segunda parte da época na cauda do pelotão com as melhorias da Force India, a Toro Rosso esteve bastante bem em Interlagos mesmo com o line-up inexperiente, com Alguersuari a ficar na Q2, e Buemi a partir de 6º lugar (a sua melhor qualificação de sempre) mesmo sendo o mais pesado da Q3!

Já Williams mostrava ser a mais forte candidata à pole position na Q1 e Q2, mas inexplicavelmente e apesar de terem uma estratégia igual aos do topo ficaram em 7º e 9º.

Mau tempo e acidentes assustam a FIA

Depois de termos achado que tínhamos atingido o fundo do poço com a qualificação do GP do Japão, creio que conhecemos profundidades maiores em Interlagos… O mau tempo já tinha feito das suas no 3º treino livre, mas na qualificação foi o descalabro.

Fisichella rodou e o motor morreu e bloqueou a pista. Aí entendeu-se a demora para recomeçar. Depois começou a Q2, e Liuzzi perdeu o controle na recta da meta. Apesar da esctaculariedade do acidente, o italiano saiu a pé.

Aí sim creio que foi um disparate aquele tempo imenso (quase uma hora) que os comissários perderam para finalmente recomeçarem o treino, quando, na minha opinião, as condições não estavam assim tão melhores na hora do recomeço…

“Os comissários da FIA são como as velhinhas, cheios de cautelas excessivas,
e enquanto isso não mudar vamos ter mais cenas tristas como as de hoje…”

Jaques Laffite sobre o GP da China

E não é que ele tinha razão…

Leia também:
Fuji Television Japanese Grand Prix 2009 – Qualificação
Singtel Singapore Grand Prix 2009 – Qualificação
Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Qualificação

Post anterior: Grande Prêmio Petrobras do Brasil 2009 – Previsões

Fuji Television Japanese Grand Prix 2009 – Qualificação

4 de Outubro de 2009 Deixe um comentário

(Post atrasado por problemas com o servidor, e a informação apenas actualizada até às 20h de Portugal)

Uma sessão absolutamente caótica no Japão na madrugada deste Sábado, que acabou com 3 interrupções, vários acidentes, e ainda mais penalizações à mistura. No entanto, na minha, opinião, não bateu a qualificação do Nurburgring como a melhor da temporada.

Vettel conseguiu colocar a Red Bull de volta às pole positions num circuito em que já se sabia que os RB5 iriam ser a referência. A estratégia também favorece o alemão sendo vital para se manter na frente do KERS de Hamilton. O grid acabou por ficar todo “partido” e coloca uma corrida muito interessante para amanhã!

Acidentes e penalizações são lei

Nunca tinha visto semelhante coisa: uma sessão de qualificação na qual os tempos quase não contaram para nada! A Q1 foi a única sessão a decorrer naturalmente, com os resultados a não serem grande surpresa tendo em conta as previsões. A partir daí… foi o salve-se quem puder!

Na Q2 dois acidentes com intervalos de 3 minutos e meio colocaram o pelotão inteiro em apuros, com os Brawn a terem sido penalizados por passarem pelas bandeiras do acidentado Buemi, tal como Alonso e Sutil…

Vettel agarra a oportunidade

Depois de Webber ter inutilizado o seu carros, o alemão tinha nas mãos a responsabilidade de mostrar o nível dos RB5. Dito e feito! Em todas as sessões qualificativas, Sebastian foi o mais rápido, superiorizando-se aos adversários que estiveram bem perto no final. Depois de ter sido aldrabado em Singapura pela FIA, ei-lo a dar uma resposta válida!

Já o seu companheiro não fez nada de válido, ficando (novamente) mal, não conseguindo qualificar-se devido a um erro seu nos treinos da manhã que danificaram gravemente o carro…

Rosberg e Kubica beneficiam

Quem saiu muito bem nesta história das penalizações foram Rosberg e Kubica, que podendo escolher uma estratégia de paragem tardia por terem ficado na Q2. A subida em detrimento de outros caiu que nem ginjas e têm hipóteses muito realistas de chegar à vitória, pois estão para mais 10 voltas que os da frente e não muito longe.

Sortes distintas entre companheiros

Em Toyota, McLaren e Ferrari as coisas foram de extremos: enquanto Trulli brilhou em levar o carro com quase tanta gasolina como os rivais até ao 2º posto, Glock perdeu o controlo e corre o risco de ficar de fora não só na corrida como no resto da temporada; Hamilton tem hipóteses de vitória e Kovalainen vai partir de 13º.

O mais nivelado foi na Ferrari: Kimi chegou em 5º com algumas penalizações de outros, e Fisichella não saiu da Q1, mas beneficia do facto de quase todos os penalizados terem ficado abaixo de si para estar perto do Top Ten…

Agora sim, Toro Rosso melhora

Depois de muitas promessas, os carros da segunda equipa da Red Bull deram um ar da sua graça, pois apesar de ambos os pilotos terem danificado os carros durante a qualificação (duas vezes no caso de Buemi) nenhum deles se ficou pela Q1. Um verdadeiro feito!

Alguersuari finalmente conseguiu mostrar que não foi apenas escolhido por ser jovem, espanhol e no programa Red Bull (apesar de ajudar), indo até ao Top Ten graças às falhas e problemas dos outros.

Leia também:
Singtel Singapore Grand Prix 2009 – Qualificação
Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Qualificação
ING Belgian Grand Prix 2009 – Qualificação

Post anterior: Fuji Television Japanese Grand Prix 2009 – Previsões

Singtel Singapore Grand Prix 2009 – Corrida

27 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Grande corrida com um grande resultado final que tornou Lewis Hamilton no mais vencedor no período 2007-2009! Apesar de algumas opiniões insistentes em como o GP da Singapura é dos mais aborrecidos e que devia sair do calendário creio que estão errados: considero esta corrida emocionante graças à mudança de protagonistas.

Enfim, numa corrida em que Button garantiu por certo o título mundial, Rosberg e Vettel cometeram erros cruciais que nos roubaram a hipótese de ver uma luta a três pela vitória nas voltas finais. A 4 se contarmos com Glock, que fez uma corrida fenomenal, ainda que sem chegar perto de Hamilton!

Domínio de Hamilton e brilho de Glock

Por mais que se tente discordar é impossível: Lewis esteve inspirado na noite de Singapura, ganhando muito tempo no início da prova com um carro mais pesado. Quando o Safety-Car apareceu, por causa do acidente Heidfeld-Sutil, Vettel revelou-se um forte adversário mas tal como na Turquia não conseguiu passar, mesmo estando mais leve.

Depois de também ele ter cometido um erro, Hamilton limitou-se a controlar a corrida, nem se dando ao trabalho de andar ao nível de Glock, pois o alemão já vinha muito atrás quando começou a bater os tempos do britânico…

Timo esteve excelente, ganhando uma posição a Alonso nas primeiras voltas, e passando Webber depois porque a Red Bull o tinha mandado fazer por medo a uma penalização por ter ido para fora da pista no combate com Alonso. As falhas de Rosberg e Vettel colocaram-no na segunda posição nunca tendo sido ameaçado por Alonso.

Travões dão dores de cabeça a Red Bull

A Red Bull (e com isto também me refiro à Toro Rosso) esteve péssima. Por mais que as performances até tenha sido bem melhores que nas corridas anteriores, a verdade é que os carros de Adrian Newey sempre se mostraram demasiado frágeis…

Prova disso foi o espelho retrovisor de Vettel se ter soltado em plena recta, depois de ter ficado deformado durante várias voltas, e ainda os problemas de travões que assombraram Sebastian no final da corrida, e que já tinham colocado o seu companheiro e os Toro Rosso de fora da corrida!

No entanto não foram apenas os travões que causaram problemas a Alguersuari, que (na minha opinião) foi o causador do acidente entre Heidfeld e Sutil, para além de ter feito sobreaquecer o último…

Para Mark Webber foi muito pior: o título foi-se e agora será forçado a ajudar Vettel a tentar alcançar os Brawn.

Quem os viu e quem os vê

Ferrari, Force India e Williams estiveram muito diferentes das performances vistas nas últimas duas corridas: só que enquanto isso foi pela positiva na Williams, foi pela negativa nas duas primeiras…

Depois de terem conquistado os primeiros pontos, esperava-se que os VJM-02 chegassem (pelo menos) ao Top Ten. Nada disso aconteceu e o único representante de Vijay Mallya acabou na última posição… A Ferrari não se pode ficar a rir, pois o “Iceman” apenas chegou em 10º, e “Físico” só conseguiu chegar na frente de Liuzzi (que esteve muito menos impressionante em comparação com Monza)!

Já os carros de Sir Frank viram o regresso aos bons tempos, e parecia que finalmente iriam facturar um pódio, mas o facto de Rosberg se ter baralhado e colocado o carro inteiro sobre a linha das boxes (1ª vez na história)… Um “drive-through” era óbvio e Nakajima voltou a não estar à altura do carro.

Mensagens de apoio para “desapoiar”

No final da corrida Fernando Alonso esteve no mínimo estranho: não perdeu tempo a festejar, foi o primeiro a chegar ao line-up dos três primeiros, cumprimentou Glock e não Hamilton (isto já é um pouco mais justificável…) e mal festejou o melhor resultado da temporada num dos tempos mais difíceis da equipa.

O pior ficou reservado para o final quando afirmou dedicar o pódio a Flavio Briatore… O desagrado da equipa foi óbvio, pois o italiano fez declarações de vingança após a decisão do Conselho no mínimo estranhas! Uma prova que o espanhol deve estar de partida para a Ferrari, como o presidente da Scuderia já deixou escapar…

Button com uma mão na taça

A corrida de hoje foi obviamente a consagração de Button: é absolutamente irrealista que Barrichello consiga tirar metade dos pontos disponíveis a Button em 3 corridas (15 em 30). O inglês sorriu como nunca no final pois nem precisava de acabar na frente de Rubinho para consolidar a sua posição.

Rubens perdeu as hipóteses de acabar na frente de Button após ter deixado o motor “morrer” na última paragem… Mesmo assim se Button não ganhar uma corrida até ao final do ano não merece o título, pois assim só terá ganho quando o Brawn foi o dominador indiscutível!

Leia também:
Singtel Singapore Grand Prix 2009 – Qualificação
Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Pontuação
Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Corrida

Post anterior: Singtel Singapore Grand Prix 2009 – Qualificação

Singtel Singapore Grand Prix 2009 – Qualificação

26 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Mais uma brilhante sessão de qualificação de Lewis Hamilton que voltou a aproveitar a boa forma da McLaren para conseguir a 3ª pole position da temporada na segunda vez que os carros voltaram a correr à noite num GP.

Apesar de ter sido interrompida pelo acidente de Barrichello na Q3, a sessão tinha apenas 27 segundos para terminar, e os comissários deram-na por terminada logo de seguida. Isto impediu que víssemos um grande duelo pela pole entre Hamilton, Vettel e Rosberg nos momentos finais, mas permitiu que outros não perdessem posições para carros mais rápidos.

Candidatos: Red Bull melhora, Brawn mal

Tanto a Brawn (com o novo patrocínio da Canon) como a Red Bull conseguiram ter fins-de-semana aceitáveis até à altura da qualificação, mas enquanto os austríacos conseguiram voltar aos primeiros lugares, a equipa de Ross Brawn ficou no meio da tabela…

Webber impressionou no último momento da Q2, mas tirando isso passou o tempo todo na sombra de Vettel. O alemão brilhou, pois agora que percebeu que não ganhará o título sendo cauteloso, decidiu acabar a época em grande mesmo que não ganhe o título!

Já a dupla Brawn terá que se recompor: Button não continuou a forma vista em Monza, estando de novo arrastado para o fundo do poço, ficando novamente na Q2. Barrichello tinha tudo para partir da primeira fila, mas um erro levou-o a embater no muro, e mesmo partindo à frente do companheiro com a penalização de troca da caixa de velocidades, podia ter aproveitado melhor o dia-não de Jenson…

Recuperação da Williams, queda da Ferrari

Depois de ter grandes dúvidas acerca da sua competitividade em Monza, a Williams regressou em força para a frente do pelotão por pouco não voltando a fazer uma pole position! Rosberg partirá pela primeira vez da 1ª fila do grid, e vejamos os pesos porque depois de (em teoria e não-oficialmente) ter ganho o ano passado na sua opinião, tem a hipótese de o voltar a fazer este ano…

Já o seu colega continua a ser uma chicane ambulante, que não deverá ter mercado algum para o ano, nem mesmo na Toyota!

Já a Ferrari fez o caminho inverso, provavelmente terminando assim os pódios consecutivos, porque a não ser que Raikkonen esteja leve e Fisichella se estampe depois do seu reabastecimento creio que até pontos serão complicados…

“Físico” até esteve bem tendo em conta que apenas usou o carro uma vez há duas semanas, e que o F60 perdeu muita competitividade em Singapura, por isso desenganasse quem diz que Badoer se está a rir pois o italiano nem com o melhor carro saiu de último em Spa!

Bom trabalho para McLaren e BMW

As duas equipas de motores alemães estiveram bem na sessão, com as últimas alterações do ano para ambas a surtirem efeito. A McLaren viu Kovalainen no último lugar da Q3, pois o finlandês perdeu a sua segunda tentativa devido ao acidente de Barrichello, no entanto coube a Hamilton mostrar o potencial dos MP4-24. Ou terá sido uma questão de peso?

Já a BMW colocou fortes avanços aerodinâmicos e se estiverem pesados podem chegar ao pódio com facilidade…

Extremos opostos e desilusões

Toyota e Renault foram extremos opostos internos, pois enquanto Alonso e Glock chegaram à Q3 em boas posições, Grosjean e Trulli fizeram muito mal. Apesar do escândalo “Renaultgate” ter deixado marcas brancas (literalmente) na equipa, o carro (pelo menos nas mãos de Alonso) esteve bem.

Já Force India e Toro Rosso estiveram também estranhas em relação ao habitual. Enquanto os indianos abandonavam a frente do grid para “os velhos tempos”, a segunda equipa da Red Bull conseguiu melhorar um pouco levando pela primeira vez em muito tempo um carro até à Q2.

Leia também:

Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Pontuação
Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Corrida
Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Qualificação

Post anterior: Capa Autosport – Renault F1 em risco!
Post seguinte: Singtel Singapore Grand Prix 2009 – Corrida

Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Corrida

13 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Pela segunda vez este ano, as duas poles de Lewis Hamilton não concretizaram uma vitória, de novo por ter uma estratégia fraca em comparação aos rivais. Novamente Ross Brawn dá razão ao título de “mestre da estratégia” preferindo apostar na corrida ao invés da qualificação: ao contrário do Nurburgring, desta vez deu certo…

A vitória de Rubinho não pode ser contestada, numa prova em que Force India e Ferrari mostraram que continuam em grande depois dos mais recentes sucessos, a Renault e a BMW conseguiram salvar uns pontitos. Os únicos momentos em que Toyota ou Williams apareceram nas câmaras foi quando quase se armaram em “kamikazes”!…

Brawn brilha na estratégia

Depois de a autoridade de estrategista de Ross Brawn ter sido abertamente questionada depois do episódio de Barrichello no Nurburgring, desta vez os resultados foram brilhantes: uma dobradinha, a 1ª com Rubens na frente, e a 1ª desde Mónaco.

Button conseguiu recuperar “a magia” após muitas corridas em que foi uma sombra do dominador das 7 primeiras corridas do mundial… Apesar de ter chegado em segundo, acabou (novamente) atrás do seu companheiro quando estava mais leve, e sem o acidente de Hamilton, com KERS, poderia ter acabado no último lugar do pódio!

A seu favor abona o facto de ter conseguido não perder muito tempo atrás de Kovalainen. Barrichello realmente tem sido o grande azarado da temporada pois quando Button falhou em Spa, não pôde aproveitar; agora que ganhou, Button veio logo atrás… A posição no campeonato dá por garantido o título de constructores, e o de pilotos deverá ser entre eles.

Não estou, no entanto, a criticar Rubens ou a menosprezá-lo: as suas voltas-canhão após os reabastecimentos de Button foram excelentes, e com uma caixa de velocidades duvidosa conseguiu extrair mais do carro que o seu companheiro. A juntar também o pouco tempo que demorou a passar Kovalainen para não perder a vitória.

Brilhos opostos na McLaren

Depois de terem perdido alguma da competitividade em Spa, o peso de Kovalainen e a pole de Hamilton deixavam antever uma dobradinha. Certo? Errado… Tornou-se claro que os Brawn tinham o melhor carro e estratégia, e a má partida de Heikki (e ele tem KERS…) deixou-o na mão dos Brawn e Liuzzi, caindo para a 7ª posição no final da 1ª volta!

Já Lewis varia entre deixar tudo e todos abismados com a sua perfeição em pista, até fazer erros grosseiros. Andou muito bem no início, mas foi perdendo velocidade a partir do 1º pit stop. No final aproximou-se de Button, mas com a ânsia de chegar, pisou demasiado o corrector e perdeu controlo do carro na última volta, quando podia ter ajudado a McLaren a chegar-se à Ferrari…

KERS: bênção e maldição

Nesta corrida tornou-se óbvio que existirão equipas a repensar o seu uso para 2010 na positiva: as brilhantes voltas em que Raikkonen se defendeu de Sutil e a aproximação rápida de Hamilton a Button provaram que o sistema é muito eficaz em pistas como Monza, Sakhir, e (para o ano) Montreal…

No entanto, para Sutil e Button foi um inferno: enquanto o primeiro ganhava imenso tempo por volta a Raikkonen e na recta da meta ele se ia embora, Button viu-se obrigado a fazer condução defensiva nas voltas finais perante a motivação de Hamilton em reduzir a diferença para os líderes. A Renault lá conseguiu uns pontitos, mas a dúvida é: estarão em Singapura?

Fiabilidade zero

A BMW saiu de Monza com grandes dúvidas acerca da sua real posição, pois apesar de o ritmo de corrida ter subido bastante a verdade é que os carros têm-se revelado bastante frágeis. Depois de ambos os motores terem sucumbido na qualificação, na corrida Kubica (além de ter trocado a asa dianteira) abandonou por o motor estar a perder potência rapidamente…

Os alemães nunca tiveram motores que causassem inveja, mas até estavam a ser fiáveis.

Adeus ao título

Depois de exibições grandiosas em Silverstone e Nurburgring, estão colocados grandes pontos de interrogação sobre a Red Bull. Desde essas corridas que os carros de Adrian Newey têm estado irreconhecíveis, acabando sempre em posição sem destaque e a verem a Ferrari e Raikkonen começarem a aproximarem-se perigosamente…

Webber acabou a corrida logo na 1ª volta, num toque com Kubica, deixando-o sem hipóteses concretas de título: se perder dois pontos para Button na Singaputa terá que começar a ajudar Vettel… O alemão continua com esperanças, mas o ponto solitário é um péssimo sinal para as provas que restam!

Falhanços caseiros

Depois de ter ido à Q3 no seu regresso ao activo, Liuzzi estava em excelente posição, não perdendo tanto tempo como o esperado para o seu mais experiente companheiro, e ganhando uma posição a Kovalainen antes da recta em que o KERS deitaria tudo por água abaixo. Um problema na transmissão colocou-o fora de prova em casa…

Fisichella lutou com o carro durante todo o fim-de-semana sem conseguir achar o acerto ideal, e acabou no nono lugar. A posição é enganadora pois não chegou a estar sequer perto dos pontos. No entanto, acho que ele fez a escolha de equipa correcta: esta corrida perante os “tiffozi” deve ter sido mais entusiasmante que o pódio de Monza…

A Toro Rosso parece cada vez mais a regredir na sua transformação: enquanto que o ano passado esteve forte com ambos os pilotos ganhando a corrida, este ano estiveram no fundo do pelotão com Alguersuari marcado por problemas técnicos, e Buemi a apenas aparecer numa ultrapassagem (bem impressionante, justiça seja feita) a Fisichella. Estão a voltar às origens: Minardi!

Sobre o GP de Itália:
Previsões
Qualificação

Post anterior: Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Qualificação
Post seguinte: Como?!

Já chega não acham?!

8 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Estive recentemente a comentar alguns artigos, quando pela quinquagésima vez, vejo mais uma publicação sobre uma possível ida de Valentino Rossi e Sebastien Loeb para a F1… Mas, por amor de Deus, não acham que já chega?!

Primeiro começou tudo com os testes do Rossi na Ferrari há alguns anos atrás, nos quais se começou a dizer que o italiano estava a pouco tempo do recorde de Schumacher e que iria para a equipa oficial juntamente com Raikkonen para 2009. Valentino disse que estava 100% concentrado nas motas, e que era tarde demais.

Mesmo assim, a imprensa insistiu que, desse por onde desse, aquele tipo tinha que ir para a Scuderia! O mais recente episódio foi a ideia de ser o italiano a substituir Schumacher para o lugar de Massa, culminando com o próprio a afirmar que tinha sido convidado mas tinha dito que não.

Começaram logo 1001 comentários sobre Rossi estar a perder uma grande oportunidade, e que deveria ter ido de cabeça para a iniciativa, no entanto Valentino não estava a ser parvo nenhum: estava a ser inteligente…

Alguma vez na vida, o italiano deitaria para o lixo todo o trabalho que tem feito este ano para conquistar o título na MotoGP, para ingressar numa categoria desconhecida, num carro e equipa igualmente desconhecidos? O italiano não se quer “queimar”, pois todos vimos o que aconteceu a Luca Badoer!

O mesmo se pode aplicar a Loeb. O francês fez alguns testes com a Red Bull em Silverstone, e começaram os rumores… Agora, todos tomam por garantido que ele irá pilotar um Toro Rosso no Abu Dhabi! A Citroen afirma que ele está livre de pilotar na F1, para a prova final.

Aqui, o penta-campeão dos ralis não está a ser tão cerebral como Rossi. Numa altura em que está atrás do rival, após mais uma derrota na Austrália, o seu “exílio” para a F1 poderia ser interpretado como uma fuga, um admissão de derrota… Se não fizesse bem na prova final do campeonato então, a sua reputação porderia ir por água abaixo!

Mas o que os motiva a quererem ingressar para a F1, e o que motiva a imprensa a colocá-los lá? Simples: a ideia de que sem passar pela F1 um piloto não é talentoso… Apesar de, tenho que ser honesto, não achar piada nem às motos nem ao WRC, respeito Loeb e Rossi porque os considero os melhores num mundo tão ou mais complicado que a F1.

Creio, por isso, que nos deixemos de magicar numa ida para este desporto, quando já estão bem estabelecidos e com uma reputação mundial de invejar, a fazerem aquilo que sempre fizeram, que é, o que sabem fazer melhor.

Capa Autosport – Este miúdo é imparável!

11 de Agosto de 2009 Deixe um comentário

Capa Autosport - Este miúdo é imparável!

Peço desculpa pelo atraso da publicação, mas há que aproveitar enquanto o Verão dura para ir apanhar uns banhos de Sol… Enfim, mais vale tarde que nunca: eis os destaques do Autosport para esta semana.

Formiga guerreira: António Félix da Costa está a brilhar este ano na Fórmula Renault 2.0, conseguindo mais uma vitória dupla, a 4ª seguida (e 6ª da temporada). O português está realmente com perspectivas muito risonhas, podendo conquistar o título daqui a três provas. António está também num possível rumo à F3 Euroseries, lugar preferido das equipas de F1 para sondar talentos! Mais um candidato luso à fórmula máxima, seguindo as pisadas de Álvaro Parente.

Também na capa: O semanário refere também uma entrevista a Pat Symonds, com o projectista a afirmar que se sente enfastiado com os actuais regulamentos referentes aos “pit stops”, estando à espera de mais inovação nas estratégias sem a necessidade de reabastecer. O outro destaque é o português Victir Mlyakawa, que é engenheiro na Brawn GP. Uma entrevista em que ele refere o seu histórico: da Super Aguri à líder do campeonato Brawn!

BMW sem espaço de manobra: Após a renúncia dos germânicos em Peter Sauber tomar posse da equipa, as coisas estão muito negras. Ecclestone e Mosley não perderam tempo para colocar uma montadora de fora, levando a que quem comprar a estrutura de Hinwill, tenha ainda que passar a fase de escolha das equipas. Mesmo que o consiga (o que será difícil), não receberá os prémios referentes a este ano da BMW, por em teoria ser uma nova equipa… Enquanto Bernie poupa dinheiro, Villadelprat ainda acredita que poderá estar em Melbourne em 2010, pois é a estrutura mais qualificada para isso, a seguir à ex-BMW.

Schumi em dúvida: Um pouco atrasados, pois o alemão já não vai participar em Valência, o Autosport fala sobre o acidente que impediu o alemão de regressar, das alternativas mais credíveis: Gené e Fisichella (não referem nem uma única vez Badoer…). Falam também sobre Willy Weber e as suas declarações estranhas (como eu próprio já referi no Twitter) que fazem lembrar o nosso ex-ministro da Economia: quando diz algo acontece o contrário…

Outros: Desta vez, devido às férias prolongadas da F1, as breves são mesmo breves: a confirmação do GP do Canadá apenas surpreendeu pelos preços baixos de Ecclestone, mas o patrão da FOM, afirma que Indianápolis não voltará, deixando a F1 órfã do seu maior mercado… Donington parece cada vez menos provável com a mudança de empreiteiro, e Bourdais ganhou mais com a indemnização da Toro Rosso do que com o seu salários de 2008!