Archive

Archive for the ‘Figuras’ Category

Jean Todt eleito – Mosley versão B começa

25 de Outubro de 2009 3 comentários

Antes de começar a enumerar todas as razões que me levaram a escolher o título e analisar o que significa para o desporto esta vitória do “pequeno francês” para o desporto automóvel, tenho que pedir desculpas a todos os meus leitores pelo tempo de reacção bem lento com que eu tenho reagido às novidades.

Não é por esquecimento nem por nada: é que eu tenho andado a trabalhar justamente para o blogue, mas numa surpresa que deverá estar pronta antes do Ano Novo (não é o anuário, esse estará pronto, em princípio, em Janeiro 2010) e que será muito útil para mim, e melhorando a qualidade do blogue…

Ler mais…

Agora é que vai ser a sério!

30 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Finalmente depois de 2 anos de muita especulação, finalmente Fernando Alonso foi garantido como piloto da Ferrari para a temporada de 2010. O anúncio era apenas uma questão de tempo, porque ninguém tinha a mais pequena dúvida que, após o deslize de Montezemolo para a Marca, o espanhol seria confirmado ao lado de Felipe Massa…

O resto do pelotão estava em compasso de espera desta decisão para tomar as suas iniciativas para um novo emprego, no que promete ser um Big Bang de transferências em poucos meses, depois desta temporada ter sido um fiasco nesse capítulo (apenas Vettel se moveu “internamente”…).

Detalhes e seguimentos

Esta contratação da Ferrari coloca-a como uma das poucas equipas que já têm o seu line-up completo para o próximo ano. No entanto já se estão a assistir a “movimentos nos bastidores” com Alonso a levar para a Scuderia alguns técnicos com quem já trabalhou na tentativa de ganhar espaço interno na sua estadia de 3 anos na equipa…

Eis um excerto do comunicado da Ferrari:

“Estamos muito contentes de dar as boas-vindas a mais um piloto vencedor, que mostrou todo o seu incrível talento ao ganhar dois campeonatos do mundo até esta data.

“É claro que gostaríamos de agradecer ao Kimi tudo o que fez pela Ferrari: no seu primeiro ano connosco ganhou o título, contribuindo para a história da Ferrari, e desempenhando um papel fundamental na conquista dos títulos de Constructores de 2007 e 2008.

“Mesmo numa época difícil como esta, mostrou todo o seu extraordinário talento com excelentes resultados, incluindo a grande vitória em Spa e estamos certos que partilharemos bons tempos juntos nas últimas três corridas desta temporada.”
Scuderia Ferrari

Só um pormenor aqui: normalmente, uma equipa, quando contrata um piloto, fala ostensivamente sobre os defeitos do anterior, ou seja, as razões que os levaram a optar pelo outro. Se reparar, a Ferrari só fala sobre como Raikkonen tem talento, é empenhado e contribuiu para a marca da Scuderia.

Por outras palavras, percebe-se que a contratação de Fernando foi um capricho de Montezemolo e Domenicalli, e não porque o finlandês deixou algo a desejar!

“Silly season” começa

Após esta novela se ter finalmente concretizado, todos os dependentes da decisão vão começar um bailado sem fim.

Kimi deverá ir para a McLaren, Barrichello e Rosberg poderão trocar de equipa, Kovalainen procurará um lugar na Renault ou Toyota, Kubica reatará negociações com a Renault, etc. A decisão da grande parte dos citados estava simplesmente em compasso de espera, e agora as transferências vão começar a sério!

Leia também:
O regresso da Lotus… com Cosworth!
Já chega não acham?!
“Físico” na “Rossa”

Post anterior: Calendário 2010: reflexões

"Renaultgate" continua nos cartoons e no paddock

14 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Numa das minhas pesquisas pelo Google, encontrei isto:

O desporto inteiro está marcado com esta praga, que pode ameaçar a Fórmula 1 para sempre. Como se não bastasse o escândalo de espionagem da McLaren em 2007, e os mais recentes problemas entre a FIA e FOTA que por pouco não causavam danos absolutamente irreparáveis…

O mais recente capítulo foi o de Flavio Briatore afirmando que a mudança de Piquet de Oxford para Londres se deveu a uma suposta relação homossexual do brasileiro com um homem mais velhos… Nota-se que o manager da Renault está simplesmente a disparar em todas as direcções, tentando acertar em alguém pelo caminho.

Já para não falar no próprio Nelsinho que insiste que disse toda a verdade à FIA. O seu pai, momentos antes do post, afirmou que Fernando Alonso sabia de toda a trama… Esperemos os próximos capítulos!

É quase certo que a questão não se ficará pelo tribunal, e ainda por cima, se lerem o regulamento um dos pontos principais é que qualquer tentativa de manipulação de resultados não é permitida. Se o “Stepneygate” foi considerado manipulação por espionagem, o que se pode dizer do “Renaultgate” que foi feito em plena corrida nas barbas da FIA?

Leia também:
Agora é que está tudo tramado…
Conspirações nocturnas
Renault absolvida salva Valência

Post anterior: Como?!
Post seguinte: Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Pontuação

Agora é que está tudo tramado…

11 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Rumores não faltavam para tentar justificar ou descobrir tudo o que se passou relativo ao “Renaultgate”, mas agora é que parece que “o caldo entornou” para os lados de Enstone. Um depoimento assinado por Nelsinho Piquet foi para às mãos do F1sa.com que o colocou à disposição de todos.

No depoimento prestado por Piquet, está tudo desde as confirmações de que Symonds e Briatore mandaram o brasileiro chocar contra o muro logo após a paragem de Alonso, de modo a favorecer o espanhol. Diz também que apenas aceitou colaborar, porque Flavio lhe tinha dito que era o necessário para ver o seu contracto renovado, pois ele estava impedido de negociar com outras equipas.

No mesmo documento, está escrito que a curva foi escolhido por estar longe do alcance das gruas e guindastes, o que obrigaria à entrada do Safety-Car. Mais preocupante ainda é que no sentido da segurança, apenas Pat Symonds disse para ele não se ferir, quando aquele acidente poderia não só ter ferido o piloto como os comissários e público que estavam perto!

Após todos estes eventos, Piquet afirma que o assunto foi esquecido, pois apenas Briatore disse discretamente “obrigado” após a corrida.

No entanto a equipa parece desesperada em salva guardar a equipa de escândalos potencialmente desastrosas, já que minutos antes deste post declararam que iriam começar acções legais contra a família Piquet, por “extorsão e alegações falsas”…

No entanto, eis a minha questão: alguma vez um piloto tramaria a própria equipa simplesmente por ter sido demitido? Já imaginaram como teria feito o Barrichello se tivesse esse tipo de temperamento com a Ferrari?!

Portanto tal como o Capelli, acredito que esta história está muito mal contada, e que mesmo um julgamento da FIA não deverá desenterrar “os podres” da equipa francesa. Algum de muito profundo aconteceu, e explica porque Piquet não saiu logo da equipa, e ainda teve a “oportunidade” na Hungria…

No entanto está a faltar um pormenor bem grande: quem sabe desta trama? Muitos defendem que o mais provável é ter ficado tudo entre Piquet, Briatore e Symonds. Isto porque no documento de Piquet lê-se que o engenheiro teria ficado surpreso com a natureza com base no acidente, por outras palavras, achou muito estranho o brasileiro não ter travado.

Que venha 2010 para nos divertirmos…

20 de Agosto de 2009 Deixe um comentário

Após meses de batalhas, guerrilhas, birras e encenações chega finalmente ao fim a cavalgada de Mosley nos regulamentos. Sim, porque eu duvido que tenha sido ele ter as ideias principais do regulamento! “Mad” Max não tem princípios suficientes para colocar a F1 em paz…

Enfim, a F1 está de volta à serenidade com a publicação dos regulamentos que ficaram em vigor até 2012. As medidas prometem trazer de volta paz, sossego, e, acima de tudo, competição mais saudável para a competição. Eis os principais pontos dos regulamentos:

Reabastecimentos proibidos: Após 16 anos com o combustível a poder ser colocado nas paragens juntamente com as trocas de pneus, chega ao fim. Para além dos grandes perigos associados, os reabastecimentos retiraram muita acção da pista, que se passou a desenrolar nas boxes…

Qualificação: Apesar da duração das 3 sessões classificatórias continuarem na mesma, existem alterações. Em vez de cinco, oito carros passarão a ser eliminados na Q1 e Q2. A “Superpole” continuará com o “clube restrito” de apenas 10 carros.

A FIA conseguiu ter juízo e não obrigou os pilotos a correrem na qualificação com o depósito cheio para a corrida, voltando a “pole position” a ter outro significado para quem a conquista. Tudo para evitar que aconteça o mesmo que na Hungria

Sistema de medalhas foi ao ar: Apesar das últimas palavras de Bernie Ecclestone em relação às possibilidades de Vettel conquistar o título fossem maiores com o “seu” sistema de medalhas, as regras dos pontos não se alteraram.

Acho que não devemos ir ao exagero de apenas premiar os 3 primeiros, mas o sistema tem que favorecer um pouco mais quem ganha. Bom mesmo era o sistema da FOTA (12-9-7-5-4-3-2-1)…

Regras de testes e KERS mantidos: Tal como o F1 Fanatic também acredito que as pessoas julgaram o KERS demasiado depressa, e numa altura em que o peso mínimo dos carros será aumentado creio que as equipas se vão sentir mais tentadas a transformar os 15kg extra em mais 80 cavalos, e não em mais peso…

Sem surpresas, a FOTA insistiu e conseguiu manter a regra de não haver testes durante a temporada. No entanto, isto vai acabar por impossibilitar o ingresso de piltos novos a meio da temporada (Alguersuari, Badoer, Grosjean) como se fazia há uns anos atrás (Kubica, Vettel).

No entanto, o geral das regras está melhor do que há uns anos atrás, e pode ser que a estabilidade dos regulamentos ajude os técnicos a transformarem estes camiões, em algo mais imaginativo. Alguém se lembra dos flancos do Honda de 2006?

E você, o que acha das regras para 2010?

Alternativa alemã – Lausitzring

14 de Agosto de 2009 Deixe um comentário

Irá haver GP da Alemanha em 2010, sem Nurburgring ou Hockenheim?

Aquando das lutas entre a FIA e a FOTA… OK, elas ainda continuam, mas agora será mais complicada uma interferência da Federação graças ao novo Pacto de Concórdia. Mas como eu dizia, na altura em que as equipas retiraram as suas inscrições e disseram que abandonariam a F1 no final do ano, entregaram o esboço do calendário.

Nós, os portugueses, lembramo-nos muito bem, pois esse esboço tinha Portimão no calendário. Mas, devido ao facto de o Nurburgring não ter capacidade financeira para organizar a prova todos os anos consecutivamente, e do Hockenheim ter retirado a sua participação para 2010, levou a associação das equipas a escolher outro circuito para o GP da Alemanha…

Nenhum blogue levantou quaisquer publicações acerca do assunto, e eu mesmo só reparei nisso quando as “pazes” já estavam feitas. O circuito de que eu estou a falar é o Lausitzring.

Vista aérea do circuito de Lausitzring na Alemanha Oriental

O circuito que começou sendo uma mina de carvão, faz lembrar bastante Indianápolis, com o circuito principal a ser uma pista com uma recta com as tribunas mesmo ao lado, e o resto da volta a ser em áreas em que o público está mais afastado. Ao lado desta parte do complexo existe uma oval (das poucas na Europa), as bancadas têm grande capacidade. As duas pistas podem-se ligar para corridas de Endurance com 11km, mas mais vulgarmente o percurso total é usada para testes e não eventos de destaque.

Desde 2000 que o circuito tem sido usado em provas, como de DTM ou Superbikes, mas após 1 ano de competição veio uma mancha negra, levando à morte de Michele Alboreto (ex-piloto F1, para quem não sabe), e levando também Alex Zanardi a perder as pernas na oval. No entanto, nenhum destes acidentes teve a ver com o layout da pista, sendo o EuroSpeedway considerado bastante seguro.

A F3 Euroseries é uma das categorias que passa pelo Lausitzring

No vídeo que se segue, pode-se ver uma volta da A1GP em 2005, em que se torna óbvio que se a pista quiser acolher a F1, precisa ainda de algumas obras de alargamento de pista e escapatórias, pois os muros estão demasiado próximos nalguns sectores… Veja por si mesmo:

Uma questão de linhagens…

8 de Agosto de 2009 1 comentário

As medidas anti-montadoras de Mosley, têm atingido o seu objectivo...

Após as sucessivas investidas de Max Mosley contra o desporto este ano, afectando (e muito) o desenho dos carros, e fazendo vários tentativas de afastar as montadoras. Isso culminou no abandono da Honda e da BMW. Isto levou à criação da Brawn, e, provavelmente vai levar a mais uma equipa independente se juntar ao campeonato com a ausência da BMW.

Em vários ataques da FOTA às equipas que a FIA tinha para consideração, o assunto base era o facto de as equipas que se inscreviam não terem qualquer historial, levando aos casos da Lotus e Brabham a ganharem vida própria… Mas, e se eu lhe dissesse que as equipas que disputam o campeonato (tanto de pilotos como de constructores) vêm das linhagens de nomes como Tyrrell e Stewart?

É verdade. As duas equipas que lutam pelo campeonato este ano, Red Bull e Brawn, vêm de tempos anteriores. Ora vejamos as duas equipas de topo de 2009:

A Brawn vem da linhagem da vencedora de títulos Tyrrell

Brawn: A equipa britânica que dominou o início desta temporada, tem raízes muito profundas, desde 1968, para ser mais preciso. Os títulos mundiais, da então Tyrrell, com o grande Jackie Stewart eram uma miragem distante nos últimos anos de vida. Os problemas financeiras levaram a equipa a ser comprada pela BAT (British American Tobacco).

Após essa compra, a equipa nunca mais fez resultados de relevo, ainda que em 2004 quase tenham ganho uma corrida, e facturaram 11 pódios. O que acabou a equipa foi a relação chegado com a Honda que optou por comprar a BAR em 2006. O primeiro ano, deu uma vitória e vários pódios, mas os dois seguintes foram decepcionantes, até a equipa se tornar a Brawn GP.

Jackie Stewart criou a Stewart GP, que actualmente é conhecida como Red Bull

Red Bull: A equipa austríaca tem uma história bem mais pequena. Quando Jackie Stewart criou a sua equipa a partir do nada em 1997, as dúvidas dissiparam-se, pois no ano de estreia Rubinho conquistou pontos regularmente e um pódio no Mónaco. No ano seguinte as coisas não correram tão bem, mas em 1999 a equipa estava logo atrás de McLaren e Ferrari, conquistando uma pole em Magny-Cours e uma vitória em Nurburgring.

Stewart revelou-se mais perspicaz que Prost com a equipa, vendendo a Stewart GP quando estava na mó de cima para a Jaguar. Em boa hora o fez porque os dois primeiros anos correram muito mal, levando à venda da equipa para a Red Bull em 2005. Desde então a equipa austríaca tem sido caracterizada como equipa do meio da tabela, mas este ano luta pelo título mundial… Uma curiosidade da marca de bebidas: desde 2004, que os números 14 e 15 são de carros com patrocínio Red Bull (Jaguar em 2004, Red Bull de 2005 a 2007 e 2009, e Toro Rosso em 2008).

Outras equipas também têm alguma história: Renault vem da Toleman, BMW vem da Sauber, Toro Rosso da Minardi e Force India da boa e velha Jordan.