Arquivo

Archive for the ‘BMW Sauber’ Category

Grande Prêmio Petrobras do Brasil 2009 – Previsões

15 de Outubro de 2009 Deixe um comentário

E cá estamos nós de regresso ao circuito de Interlagos, um ano após aquela apertadíssima decisão do título de 2008 que colocou Lewis Hamilton como campeão do mundo. Os brasileiros já reagiram um pouco mal ao “preview” da Red Bull para a corrida brasileira (nem todos), lembrando as declarações de Maité Proença sobre Portugal

Enfim, mantenha-mo-nos no tema Fórmula 1! Numa altura em que Button parece um estranho, pode conquistar o título já na ronda brasileira. Barrichello e Vettel têm hipóteses pequenas, mas podem causar grandes surpresas, pois existem previsões de chuva!

O jogo do título

Neste fim-de-semana a decisão do título domina os acontecimentos, pois Button tem grandes probabilidades de garantir o ceptro mundial já. O inglês “só” tem que ter um pódio em Interlagos para o obter, mas a julgar pelas suas últimas performances diria que o título poderá ir para Abu Dhabi…

Vettel tem recuperado, mas apesar de a Red Bull não ser considerada a favorita para o título, a “sessão de testes prolongada” que Webber se viu obrigado a fazer durante a corrida japonesa com asas com configuração para esta pista ajudará muito o alemão a tentar superiorizar-se aos Brawn e McLaren.

Os últimos têm estado em fase ascendente durante este final de temporada, e por isso Hamilton é quem tem mais argumentos para a corrida. Barrichello terá vida complicada, pois tem o mesmo material que o companheiro, e apenas com uma péssima performance do inglês poderá aspirar a atrasar a decisão de quem sairá vencedor!

Os últimos pontos

Williams, Toyota e BMW lutarão pelos últimos lugares pontuáveis, pois ambos procuram uma definição para o futuro, já que são equipas que têm mais incógnitas do que certezas para a próxima temporada e estarão numa mentalidade “tudo por tudo” para salvarem a pele…

Ferrari terá vida difícil na pista brasileira porque a decisão de parar o desenvolvimento do F60 será custosa a Raikkonen e Fisichella, mas é óbvio que a Scuderia parará de investir num ano em que perdeu estrondosamente, dedicando-se à campanha de 2010 com Massa e Alonso.

A juntar a tudo o que disse, a chuva apareceu muito frequentemente na zona e está prevista para aparecer na qualificação, mas com poucas probabilidades de isso acontecer na corrida. No entanto estamos em Interlagos: por outras palavras… vai ser um fim-de-semana ocupado!

Diagrama do circuito

Folha de corrida

Leia também:
Fuji Television Japanese Grand Prix 2009 – Previsões
Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Previsões
ING Belgian Grand Prix 2009 – Previsões

Post anterior: Capa Autosport – Alta pressão no Brasil

Anúncios

Fuji Television Japanese Grand Prix 2009 – Previsões

1 de Outubro de 2009 Deixe um comentário

E depois de eu ter faltado ao compromisso de fazer as previsões para o GP de Singapura, peço desde já desculpa, e prometo que não voltará a acontecer. Enfim, vem aí Suzuka, num regresso do GP do Japão a uma “pista a sério”. Sim, porque nunca ouvi elogios a Fuji, antes pelo contrário!

Acredita-se que o traçado poderá favorecer a Red Bull de um modo equivalente ao de Silverstone ou Nurburgring, e por isso Webber e Vettel deverão ser os vencedores. Brawn e McLaren terão algumas dificuldades, mas Toyota fará de tudo para brilhar perante o seu público na condição de única equipa japonesa. Eis as análises:

Red Bull deverá dominar

Depois de ter dominado em circuitos de média-alta velocidade como Nurburgring e Silverstone, os RB5 eclipsaram-se numa corrida em que todos tínhamos a certeza que dominariam. Isto porque a equipa austríaca calculou mal as coisas e foi com um acerto demasiado conservador… Agora, duvida-se que tal se repita.

Em especial na qualificação com chuva prevista: sempre que choveu este ano, foram os carros da Red Bull a terem grande vantagem sobre os rivais mais directos. Especialmente neste momento, em que Webber está sem o Mundial, que se pode esperar uma dobradinha com Vettel na frente.

McLaren e Brawn em luta feroz

Apesar de terem uma vantagem perfeitamente confortável sobre os carros da RBR, a Brawn não deverá querer arriscar ficar novamente na sombra da McLaren, porque isso levará a que a equipa fique à mercê dos britânicos nas contas do mundial.

No entanto para Barrichello o ideal seria ver os carros de Woking a intercalarem-se entre si e Button para ter hipóteses de título mais credíveis. Kovalainen está a ser eclipsado por Hamilton, e duvida-se que mantenha o lugar, mas se conseguir bater Lewis “a sério” poderá sonhar em conseguir aguentar a pressão de Raikkonen ou Rosberg.

Os outros

A Toyota fará tudo para conseguir brilhar perante o seu público, especialmente após ter dispensado os serviços de ambos os pilotos (não oficialmente, mas alguém duvida?) e com a reunião do orçamento de 2010 a ditar se permanecem ou não, um bom resultado caseiro ajudaria muito a tirar pressão…

BMW apostou forte na última corrida e apesar de só ter ganho um ponto, a verdade é que Suzuka trará os pontos fortes do F1.09 ao de cima. Espera-se que a Renault consiga chegar novamente aos pontos, com a Ferrari a afirmar que deverá estar pior nesta pista que em Singapura!

Tempo

Na corrida prevê-se uma corrida seca, mas os treinos serão completamente alagados. A qualificação tem risco de chuva, o que seriam excelentes novidades para a Red Bull, mas atenção que a McLaren está a “dar-lhe gás” como dizia uma antiga professora minha…

Diagrama do circuito

Folha de corrida

Leia também:
Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Previsões
ING Belgian Grand Prix 2009 – Previsões
Telefónica Grand Prix of Europe 2009 – Previsões

Post anterior: Capa Autosport – Hamilton dá ajuda a Button

Capa Autosport – Renault F1 em risco!

24 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Mais um habitual “Capa Autosport”, desta vez separado apenas por um post, pois tenho estado com muito pouco tempo para dedicar ao blogue. Assim que possível vem o calendário de 2010 e as previsões para o GP de Singapura.

Ao contrário do que dava a pensar, o título do semanário não tem os resultados do Conselho Mundial já publicados: os próprios escritores têm uma palavrinha sobre isso no interior. No entanto o “Renaultgate” não é o único ponto de destaque, com a entrada da Lotus e a compra da BMW e as boas prestações dos portugueses a merecerem espaço da capa.

Terramoto na Renault: Apesar de a edição ter fechado antes da divulgação da decisão do Conselho Mundial, o Autosport fez brilhantes conclusões acerca de Briatore e as suas tendências para quebrar regulamentos, e ainda acerca do facto de os tribunais civis serem chamados, e sobre a potencial saída da Renault, que já foi desmentida.

Malásia banca regresso da Lotus: A escolha da Lotus como 13ª equipa do mundial de 2010 não poderá ser tida em conta como o “regresso verdadeira” da equipa fundada por Colin Chapman, pois dessa era apenas se mantém o nome da equipa… O facto de a equipa estar baseada no Médio Oriente e de usar motores da Cosworth devem ter sido os factores de escolha.

Ainda uma pequena caixinha sobre o facto de um investidor italiano comprar a parte de Michiel Mol na Force India. Isto levará a que a equipa possa resolver os seus problemas financeiros com a Mercedes, já que o holandês nunca deu um centavo a Mallya!

Petrodólares salvam a Sauber: Apesar de ter sido deixada de fora do Mundial pela FIA são muitos os que acreditam que, como 14ª equipa ou como compradora de outra, a equipa fundada por Peter Sauber chegará ao grid no GP do Barhain. A compra da Qadbak Investments trará paz monetária para os lados de Hinwill.

Tudo isto e a juntar o facto de Peter Sauber continuar com 20% da equipa e de Kubica já admitir permanecer na equipa poderão levar a uma manutenção do line-up deste ano para o próximo.

Quando o sonho comanda a vida: Excelente reportagem acerca da Ocean Racing Technology passando da pior equipa do pelotão a uma vencedora de corridas em apenas 7 meses. Tudo pelas mãos de Tiago Monteiro, com a escolha do nome e da possível criação de uma equipa de GP3 que poderia acolher António Félix da Costa…

Sustentável leveza: O regresso da equipa Lotus ao pelotão da Fórmula 1 para 2010, por mais que seja com motores Cosworth e donos malaios, não pode ser considerado mau: é uma excelente notícia! O Autosport organizou num dos seus “Fenómenos de F1” com as raízes da equipa de Colin Chapman.

Cores portugueses no auje: Portugal foi um nome de marca nesta semana que passou, pois Álvaro Parente, Miguel Ramos e António Félix da Costa a conseguirem posições bastante boas no panorama internacional, com o último a ter ganho o campeonato NEC da F. Renault. Só faltou Tiago Monteiro que foi eliminado por Augusto Farfus….

Espírito de iniciativa: Conheça tudo sobre a ASM e o seu título internacional de velocidade, e cujo próximo passo poderá ser uma ida a Le Mans!

Outros: As previsões para o GP da Singapura (as minhas a seguir); acordo de evolução de motores com FIA a pedir a Mercedes para piorar…; Loeb testa GP2 como preparação para Abu Dhabi (depois de eu ter dito que não, o malandro!); “Renault Roadshow” em Sochi local provável para GP da Rússia.

Massa irá participar nas 500 milhas de karting de Granja Viana; Coreia do Sul prepara-se para acolher a Fórmula 1 em 2010 com a ajuda do Governo local; e Canadá resolve os problemas económicos com Ecclestone para voltar ao calendário.

Leia também:
Capa Autosport – Mercedes quer comprar a Brawn
Capa Autosport – Armindo Campeão do Mundo!
Capa Autosport – Parente vai para a Fórmula 1!

Post anterior: Renault suspensa… mas não para já!
Post seguinte: Singtel Singapore Grand Prix 2009 – Qualificação

Capa Autosport – Mercedes quer comprar a Brawn

16 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Enfim, mais uma semana que passou e na qual o Autosport nos deu a conhecer as novidades e notícias da semana.

A vitória de Rubens Barrichello no GP da Itália, a vitória da ASM Team em Silverstone, o “Renaultgate” (que conheceu hoje novos capítulos que eu falarei neste artigo), as situações de mercado de Raikkonen, Red Bull, BMW, Nico Rosberg… Enfim, mais detalhes no decurso deste artigo.

Para quem não sabe, nesta secção “Capa Autosport” eu apenas refiro os artigos com ligações à F1, e só muito ocasionalmente falo de algo mais…

Título vai ficar na Brawn: Uma análise de mercado efectuado pela revista mostra que apenas os pilotos da Brawn e Red Bull poderão conquistar os títulos este ano, no entanto quem é que acredita que Vettel ou Webber conseguirão tirar 7 pontos por corrida a Button? Pois é…

Raikkonen perdeu as suas hipóteses de título em Monza, pois mesmo que ganhe todas as corrida e Button abandone sempre, a vantagem de número de vitórias entrega o ceptro ao inglês.

Renault contra-ataca: Novos indícios surgiram hoje acerca do “Renaultgate” com a Renault a afirmar que dispensa os serviços de Briatore e Symonds (ou terão sido eles a saírem?), mas se eu perdesse um post de cada vez que acontecesse algo sobre o assunto, não tarda tinha que mudar o nome do blogue para “Renaultgate DP”…

Enfim, a edição está um pouco atrasada nos acontecimentos de hoje, mas fala sobre as insinuações sobre a vida privada de Piquet Jr. e tece fortes críticas a Piquet Senior afirmando que ele é “uma criatura sem limites nem conhecimento de decência”. Destaque também para a facilidade com que a confissão de Piquet foi parar à imprensa.

Sauber mais perto da salvação: Estou para ver como será a capa da próxima edição, mas um regresso da Lotus vai ocupar a capa toda com certeza; no entanto a desta semana vem ainda com a hipótese da Sauber estar perto de arranjar comprador. Não vou aprofundar porque já todos sabemos como acabou…

Mercedes avança para a Brawn: O que não faltam são “teorias da conspiração” acerca da Mercedes e o seu envolvimento na F1, mas segundo o Autosport, Ross Brawn garantiu o apoio Aabar Investments durante os próximos 3 anos. Após o termo do contracto em 2012, a Mercedes assumiria o controlo da equipa.

A ideia principal é colocar Rosberg nas suas fileiras, mas sem o colocar ao lado de Hamilton pois a McLaren iria impor o inglês como primeiro piloto. Há ainda o pormenor de que os alemães não poderão contar com a Red Bull e Vettel sob as suas “asas” por imposição da McLaren que não está a gostar nada…

Brawn reserva título: As análises de Luís Vasconcelos à corrida de Monza, com os principais destaques a serem o 5º pódio seguido para a Ferrari, e a brilhante exibição de Adrian Sutil. Nas pontuações o semanário optou por por dar 5 pontos a Grosjean, quando eu dei 2… No entanto há pontos em que concordamos como os 3 de Alguersuari.

Mais um para a F1: Com o título “no bolso”, Nico Hulkenberg tinha há muito a passagem à Fórmula 1 garantida, aliás, este ano parecia mais de ficar à espera do que ser obrigado a ganhar algo… Com duas corridas muito interessantes, Parente perdeu a hipótese de brilhar por pequenos erros que saíram caro, mas no geral esteve bem!

Participação do Speeder: Nesta edição o meu compatriota do blogue Continental Circus voltou a fazer das suas ganhando destaque em dois pontos. O primeiro foi nos melhores comentários da semana:

Como se diz no futebol: o resultado foi escasso pela exibição. Passar de 17º a quarto, fazendo ultrapassagens fabulosas, e andar colado ao di Grassi, lutando por um lugar no pódio, merece a nossa admiração e o nosso respeito.

O comentário é sobre a corrida de Álvaro Parente, e a verdade é que o português esteve bem. Além deste comentário o nosso colega de Leiria colocou uma pergunta a Luís Vasconcelos… que foi respondida! “Até que pontos Ross Brawn não vai impor a hierarquia na Brawn GP?”

Estivessem os pilotos da Red Bull mais perto e Brawn poderia ser tentado a apostar num só cavalo. Como estão as coisas, com Vettel 26 pontos atrás de Button, o patrão da equipa de Brackley disse em Monza que, “a situação não se alterou e os nossos pilotos são crescidinhos o suficiente para saberem o que podem e o que não podem fazer. Por isso não vejo razão para mudar de política.” Tenho a acreditar em Ross e, por isso, espero que o Mundial se decida apenas em Abu Dhabi.

Outros: A situação de mercado de Raikkonen, a petição de Trulli para as vítimas de Abruzzo, crise de motores da BMW, a confirmação do acordo entre a Santander e a Ferrari, a renovação de Schumacher, a multa de Kimi, a possibilidade de Loeb pilotar em Abu Dhabi, e as negociações da N Technology para compra de Toro Rosso ou Force India (não acredito muito…).

Leia também:
Armindo Campeão do Mundo!
Parente vai para a Fórmula 1
Barrichello entra na luta

Post anterior: O regresso da Lotus… com Cosworth!
Post seguinte: Renault suspensa… mas não para já!

O regresso da Lotus… com Cosworth!

15 de Setembro de 2009 2 comentários

E a FIA divulgou a 13ª equipa do mundial de 2010: será a mítica Lotus que está de regresso já para 2010!

A Federação mostrou-se “impressionada” com a inscrição da BMW Sauber, mas colocou-a como 14ª vaga, ou seja, caso mais alguma equipa falhe os bávaros tomarão o seu lugar… Isto é tudo muito bonito no papel, mas é óbvio que ninguém vai investir numa equipa porque “se calhar vão participar”!

Actualização: Apesar de ainda não terem a certeza se conseguiram uma vaga no grida, quer seja através de uma 14ª equipa ou do abandono de outra, a BMW foi comprada pela suíça Qadbak Investments (veja fundo do post).

Com base em Inglaterra

Como o Speeder noticiou há algum tempo, o nome Lotus será apoiado por empresas da Malásia, com a principal companhia a ser a 1Malaysia F1 Team Sdn Bhd, com o manager a ser Tony Fernandes que é também o dono da Air Asia, patrocinador da Williams. O director técnico será o regressado Mike Gascoyne.

Apesar de apresentar um bom line-up de patrocinadores e alguns técnicos com um passado ou presente de Fórmula 1 torna-se óbvia a principal causa da escolha da equipa: os motores Cosworth… Com eles estimam-se perdas de perto de 3s devido ao facto dos ingleses nunca mais terem tratado dos propulsores.

A base inicial da equipa será no Reino Unido em Norfolk a 10 milhas da fábrica da Lotus Cars. A estrutura foi também a inicial da Toyota até se mudarem para a Alemanha. Tal como os japoneses, os malaios também planeiam mudar-se, estando-se a preparar uma estrutura que ficará próxima ao circuito de Sepang.

Fim da linha para Sauber, será mesmo?

É óbvio que por trás de toda a decisão está Max Mosley, que só neste ano conseguiu mandar abaixo Ron Dennis e uma montadora, e não parece ter acabado ainda (falta a Renault…)! Numa altura em que Peter Sauber afirmou que as negociações estavam numa fase crítica vem uma equipa que supostamente ia comprar as instalações de Hinwill!

No entanto creio que deve ser outro plano: a FIA colocou a Sauber de prevenção, ou seja, caso outra equipa falhe, só que isto é numa altura em que estamos em pleno “Renaultgate”. Por outras palavras, Briatore Mosley planeia destruir Briatore e afastar a Renault da F1 de maneira a colocar a equipa de Peter Sauber de volta às corridas!

Isto porque apesar de a FIA dizer que planeia verificar se é possível expandir o campeonato para 14 equipas, ou seja, 28 carros… Já imaginaram como seria o GP do Mónaco assim?

UPDATE: BMW garante apoios

Apesar de ter acabado de ser anunciada a volta da Lotus, a BMW vende a equipa à Qadbak Investments, um grupo suíço. No entanto, continuo a achar que os dirigentes deveriam ter assinado o Pacto de Concórdia: agora, se esta equipa entrar, tal como a Brawn não será classificada como sucessora dos bávaros.

Por outras palavras, Bernie Ecclestone arranjou maneira de poupar mais uns milhões, pois a nova equipa não receberá o dinheiro dos prémios de 2009! Ainda para mais com o F1.09 a melhorar a cada corrida, quem ganha com essa súbida de forma é o Mr. E…

Leia também:
Análises de mercado – parte 2
Visuais novos
Estará a F1 a ficar sem motores?

Post anterior: Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Pontuação
Post seguinte: Capa Autosport – Mercedes quer comprar a Brawn

Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Corrida

13 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Pela segunda vez este ano, as duas poles de Lewis Hamilton não concretizaram uma vitória, de novo por ter uma estratégia fraca em comparação aos rivais. Novamente Ross Brawn dá razão ao título de “mestre da estratégia” preferindo apostar na corrida ao invés da qualificação: ao contrário do Nurburgring, desta vez deu certo…

A vitória de Rubinho não pode ser contestada, numa prova em que Force India e Ferrari mostraram que continuam em grande depois dos mais recentes sucessos, a Renault e a BMW conseguiram salvar uns pontitos. Os únicos momentos em que Toyota ou Williams apareceram nas câmaras foi quando quase se armaram em “kamikazes”!…

Brawn brilha na estratégia

Depois de a autoridade de estrategista de Ross Brawn ter sido abertamente questionada depois do episódio de Barrichello no Nurburgring, desta vez os resultados foram brilhantes: uma dobradinha, a 1ª com Rubens na frente, e a 1ª desde Mónaco.

Button conseguiu recuperar “a magia” após muitas corridas em que foi uma sombra do dominador das 7 primeiras corridas do mundial… Apesar de ter chegado em segundo, acabou (novamente) atrás do seu companheiro quando estava mais leve, e sem o acidente de Hamilton, com KERS, poderia ter acabado no último lugar do pódio!

A seu favor abona o facto de ter conseguido não perder muito tempo atrás de Kovalainen. Barrichello realmente tem sido o grande azarado da temporada pois quando Button falhou em Spa, não pôde aproveitar; agora que ganhou, Button veio logo atrás… A posição no campeonato dá por garantido o título de constructores, e o de pilotos deverá ser entre eles.

Não estou, no entanto, a criticar Rubens ou a menosprezá-lo: as suas voltas-canhão após os reabastecimentos de Button foram excelentes, e com uma caixa de velocidades duvidosa conseguiu extrair mais do carro que o seu companheiro. A juntar também o pouco tempo que demorou a passar Kovalainen para não perder a vitória.

Brilhos opostos na McLaren

Depois de terem perdido alguma da competitividade em Spa, o peso de Kovalainen e a pole de Hamilton deixavam antever uma dobradinha. Certo? Errado… Tornou-se claro que os Brawn tinham o melhor carro e estratégia, e a má partida de Heikki (e ele tem KERS…) deixou-o na mão dos Brawn e Liuzzi, caindo para a 7ª posição no final da 1ª volta!

Já Lewis varia entre deixar tudo e todos abismados com a sua perfeição em pista, até fazer erros grosseiros. Andou muito bem no início, mas foi perdendo velocidade a partir do 1º pit stop. No final aproximou-se de Button, mas com a ânsia de chegar, pisou demasiado o corrector e perdeu controlo do carro na última volta, quando podia ter ajudado a McLaren a chegar-se à Ferrari…

KERS: bênção e maldição

Nesta corrida tornou-se óbvio que existirão equipas a repensar o seu uso para 2010 na positiva: as brilhantes voltas em que Raikkonen se defendeu de Sutil e a aproximação rápida de Hamilton a Button provaram que o sistema é muito eficaz em pistas como Monza, Sakhir, e (para o ano) Montreal…

No entanto, para Sutil e Button foi um inferno: enquanto o primeiro ganhava imenso tempo por volta a Raikkonen e na recta da meta ele se ia embora, Button viu-se obrigado a fazer condução defensiva nas voltas finais perante a motivação de Hamilton em reduzir a diferença para os líderes. A Renault lá conseguiu uns pontitos, mas a dúvida é: estarão em Singapura?

Fiabilidade zero

A BMW saiu de Monza com grandes dúvidas acerca da sua real posição, pois apesar de o ritmo de corrida ter subido bastante a verdade é que os carros têm-se revelado bastante frágeis. Depois de ambos os motores terem sucumbido na qualificação, na corrida Kubica (além de ter trocado a asa dianteira) abandonou por o motor estar a perder potência rapidamente…

Os alemães nunca tiveram motores que causassem inveja, mas até estavam a ser fiáveis.

Adeus ao título

Depois de exibições grandiosas em Silverstone e Nurburgring, estão colocados grandes pontos de interrogação sobre a Red Bull. Desde essas corridas que os carros de Adrian Newey têm estado irreconhecíveis, acabando sempre em posição sem destaque e a verem a Ferrari e Raikkonen começarem a aproximarem-se perigosamente…

Webber acabou a corrida logo na 1ª volta, num toque com Kubica, deixando-o sem hipóteses concretas de título: se perder dois pontos para Button na Singaputa terá que começar a ajudar Vettel… O alemão continua com esperanças, mas o ponto solitário é um péssimo sinal para as provas que restam!

Falhanços caseiros

Depois de ter ido à Q3 no seu regresso ao activo, Liuzzi estava em excelente posição, não perdendo tanto tempo como o esperado para o seu mais experiente companheiro, e ganhando uma posição a Kovalainen antes da recta em que o KERS deitaria tudo por água abaixo. Um problema na transmissão colocou-o fora de prova em casa…

Fisichella lutou com o carro durante todo o fim-de-semana sem conseguir achar o acerto ideal, e acabou no nono lugar. A posição é enganadora pois não chegou a estar sequer perto dos pontos. No entanto, acho que ele fez a escolha de equipa correcta: esta corrida perante os “tiffozi” deve ter sido mais entusiasmante que o pódio de Monza…

A Toro Rosso parece cada vez mais a regredir na sua transformação: enquanto que o ano passado esteve forte com ambos os pilotos ganhando a corrida, este ano estiveram no fundo do pelotão com Alguersuari marcado por problemas técnicos, e Buemi a apenas aparecer numa ultrapassagem (bem impressionante, justiça seja feita) a Fisichella. Estão a voltar às origens: Minardi!

Sobre o GP de Itália:
Previsões
Qualificação

Post anterior: Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Qualificação
Post seguinte: Como?!

Gran Premio Santander d’Italia 2009 – Qualificação

12 de Setembro de 2009 Deixe um comentário

Após bastantes surpresas na última sessão de qualificação na Bélgica, foi a vez do histórico circuito de Monza nos pregar umas valentes surpresas. Lewis Hamilton conseguiu recuperar a sua competitividade em solo italiano com umas subidas aos novos correctores que deixaram Jenson Button estupefacto!

A verdade é que este fim-de-semana tem tudo para ser cheio de surpresas, pois a juntar ao grid quase aleatório do qual figuram Williams no fundo da grelha, e Force Indias na primeira fila; a prova de GP2 teve que ser atrasado devido a uma forte chuvada e isso poderá causar mais “um GP da China”: seco na qualificação, encharcado na corrida…

Exibição impressionante da Mercedes

Têm sido colocadas grandes questões acerca das decisões de expansão da Mercedes, que colocariam 4 equipas sob o seu aval, mas que correriam o risco de colocar a F1 como monopólio dos alemães, numa altura em que os pneus são idênticos para todas as equipas, e que mais montadoras vão ao ar.

Os homens da marca nada fizeram para aligeirar essa questão, com todos os 7 primeiros (à excepção de Raikkonen em 3º) a serem equipados com os propulsores em questão… Os Force India, McLaren e Brawn realmente podem agradecer as suas prestações em Monza à Mercedes, pois o circuito costuma exigir muito pouco da aerodinâmica, e mais de potência.

Enquanto os dois primeiros se mostraram sempre no topo das tabelas, a Brawn foi um pouco mais discreta. No entanto não coloquem em questão o potencial da equipa britânica, porque tudo indica que deverão mesmo estar com uma estratégia de uma paragem, contra as de duas dos da frente. E, a julgar pela satisfação estampada no rosto de Barrichello: deverá ser o brasileiro o mais pesado dos dois…

A prata da casa

Para os “tiffozi” o dia não foi tão bom como o esperado pois os Ferrari não conseguiram a pole position. Raikkonen esteve lá perto, mas acho que está mais leve que os que estão à sua frente, pois afirmou estar desagradado com o seu lugar… Já “Físico” acabou em 14º lugar, no entanto não o podemos julgar apenas pela posição.

O italiano esteve bem no 1º treino livro, mas errou no acerto do carro para o 2º. Hoje de manhã, esteve a tentar resolver o assunto, mas saiu de pista na Parabólica o que lhe causou grandes atrasos, logo, este 14º posto a 0,5s de Kimi já foi conquistado com muito suor, com o seu engenheiro a dar-lhe os parabéns pela posição.

Já para os lados da Toyota, com o piloto da casa (Trulli) as coisas não foram tão animadoras. Os japoneses continuam a sua travessia pelo deserto, com Glock a ficar logo na Q1, e Trulli não conseguiu sair da Q2. Apesar de Timo insistir que apenas não passou devido ao trânsito que apanhou na sua volta rápida, os motores nipónicos não são nada potentes em comparação com os Mercedes ou Ferrari…

Vitantonio Liuzzi acabou por ser, por tudo isto, a estrela improvável para o público italiano acabando em grande a sua volta às pistas. A verdade é que o substituto de Fisichella conseguiu uma boa exibição com um carro com que contactou pouco e após uma ausência em GP’s de 2 anos… Badoer, Alguersuari e Grosjean deveriam anotar.

Expectativas falsas

BMW, Red Bull e Renault apostavam em grande para este fim-de-semana, no entanto nada disso aconteceu. Problemas de motor, falhanços técnicos e aerodinâmicos acabaram com todas as aspirações destes três…

A BMW tinha tudo para repetir os sucessos de Spa, e os treinos livres pareciam dar razão a isso, mas duas falhas de motores acabaram com a moral da equipa, e resta saber se terão que perder 5 posições para troca a caixa de velocidades… Já a Red Bull parece nunca mais encontrar o ritmo de Silverstone e Nurburgring, devendo o título discutir-se entre os pilotos da Brawn…

A Renault vinha com o regresso do KERS para Monza na esperança de preciosos pontos, mas apesar de um bom 2º treino de Sexta, acabaram por regredir para o meio da tabela, mesmo com o grande ajudante “boost” que o sistema de energia fornece… Deram a ideia de estarem mais preocupados com o “Renaultgate” do que com as performances!

No fundo do poço

Williams e Toro Rosso cumpriram o seu papel e aquilo que todos esperávamos: andaram muito mal…

Enquanto os britânicos podem culpar o motor por todos os seu devaneios, os italianos têm problemas mais graves, pois começam a ser presenças regulares nos últimos lugares, com os principais destaques do fim-de-semana a serem os desentendimentos entre Hamilton e Buemi devido a um deles ter bloqueado o outro, e Alguersuari ter trocado a cx. de velocidades, mas não perderá qualquer posição já que se classificou em último…