Início > Análises, BMW Sauber, Iniciativas do DP, Nick Heidfeld, Robert Kubica > Meio ano depois – BMW Sauber

Meio ano depois – BMW Sauber

Nenhuma equipa (à excepção da Brawn) apostou tanto numa temporada logo no início da anterior, após a vitória de Kubica no Canadá 2008. A equipa germânica tinha o “plano ascensão” tão bem traçado que ficou complicado cumpri-lo… A BMW fez os seguintes objectivos: 1º ano – pontuar regularmente. Certo. 2º ano – ir ao pódio. Certo, até já o tinha feito em 2006. 3º ano – vitórias. Certo. 4º ano – título. Errado, nem pontos… A embirrância de Mario Theissen em seguir este plano à risca fez com que a equipa se visse refém do destino. Em 2008, apesar de o desenvolvimento do carro ter cessado imediatamente após a primeira vitória, Kubica ainda tinha hipóteses de ser campeão a duas corridas do fim! Quem sabe onde teriam chegado se tivesse apostado mesmo no ano passado, como o ano definitivo para o famigerado título…Falsas promessas: Com os primeiros testes ficámos admirados com o convencional F1.09, pois achámos todos que um carro tão “normal” sem linhas ou pontos em que contornasse as regras de modo a poder ganhar preciosos segundos. No entanto, Theissen continuava a afirmar que o carro tinha hipóteses sérias no campeonato, e Heidfeld falava de ganhar o seu primeiro título… Enganaram todos de tal maneira que os BMW Sauber (juntamente com os Brawn) eram os mais prováveis candidatos a ganhar em Melbourne na opinião de quase todos. Na primeira corrida ainda deu boas indicações,… pelo menos com Kubica! O polaco chegou muito perto dos BGP001 e de Vettel, podendo mesmo ter ganho a corrida graças à escolha de pneus nas voltas finais, sem um toque em Sebastian que acabou a corrida de ambos. O seu companheiro, não passou da Q2, e envolveu-se num acidente na 1ª curva, acabando em 11º…

Na Malásia, a chuva deve ter sido muito abençoada pela BMW que viu na qualificação um resultado idêntico a Melbourne, e o abandono de Kubica com poucas voltas decorridas provocou grande desânimo da equipa. No entanto, uma muio afortunada escolha de pneus colocou “Quick” Nick no pódio, apenas atrás de Button! Não se podia dizer ainda muito do andamento dos carros, pois Heidfeld esteve apenas uma volta no segundo posto, no que acabou por ser a volta dos resultados… Para a China, os sorrisos depressa desapareceram, com Nick a ficar na sua posição habitual, e Kubica a ficar logo na Q1! Na corrida, Kubica foi pior ainda, tendo que trocar duas vezes a sua asa da frente, e o seu companheiro perdeu a oportunidade de lutar pelos pontos devido a uma estratégia não muito cooperante.No fundo do poço: Com a chegada ao deserto do Barhain, a BMW depressa começou a descobrir que os meses de avanço na criação do seu chassis de 2009 estavam a ir por água abaixo, com ambos os carros a ficarem-se pela Q2. Pior mesmo, estava reservado para a corrida, com ambos os carros a passarem grande parte da corrida nas duas últimas posições, quando deveriam estar a lutar pelo título! Também deverá ter ajudado a nova “aerodinâmica” frontal dos carros… 😉 Nem o KERS (que nesta corrida também esteve equipado em Kubica) ajudou a tirar a equipa do precipício…

Luz ao fundo do túnel: Com a chegada a Montmeló, a experiência dos treinos pré-temporada e um novo “nariz” mais alto, acabaram por se evidenciar com a chegada de Kubica à Q3. Na corrida, no entanto, foi a vez de Heidfeld voltar a brilhar aguentando bem a luta com Raikkonen para facturar dois preciosos pontos. Robert pareceu ter a motivação em baixo perdendo uma posição em relação à largada.O regresso do pesadelo: Com a chegada a Mónaco depressa nos apercebemos que os carros bávaros, nem com uma homenagem ao bom e velho Mini conseguiam chegar a resultados, com os carros na Q1 (!) batendo apenas os Toyota que tiveram qualificação péssima… Na corrida, não se saíram muito melhor arrastando-se pelo pelotão.

No meio do pelotão e alguns pontos: As alterações importantes introduzidas para a Turquia (KERS “light” e duplo difusor) surtiram os seus efeitos com os pilotos mais perto dos pontos, e Kubica a pontuar pela primeira vez em 2009. No Reino Unido, os carros estiveram ainda pior arrastando-se pelo pelotão em posições medianas. Na última corrida, os bávaros viram-se em dificuldades com Heidfeld a ser o mais eficiente, mesmo não chegando aos pontos; Kubica queixou-se do equilíbrio do carro não andando sequer perto do companheiro…

Resta saber se a melhoria de performance da Toro Rosso não será fatal às aspirações dos alemães (pontos, está claro!), pois melhorias parecem impossíveis e ficarem mais para trás poderá piorar a posição dos patrocinadores e dirigentes em relação a Theissen, especialmente devido ao fracasso que foi o KERS que o alemão defendeu nas reuniões da FOTA, e que já foi abandonado pela própria equipa…

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: